Racismo no surf feminino

In Esporte, Surf On
- Updated

Os olhos de Érica Prado ficam marejados diante da imensidão do mar. A moça é invadida por uma onda gigantesca de sentimentos. Ex-surfista profissional e jornalista esportiva, a carioca se emociona ao relembrar as dificuldades que enfrentou para viver o seu sonho. “Em Itacaré (município baiano onde cresceu), pedia ajuda aos comerciantes para bancar os custos das competições. Quando estava na água, minha preocupação era não perder num primeiro momento. Precisava dar uma alegria para as pessoas que acreditavam em mim”, diz. “O duro era ser forte quando a cabeça não estava legal. A falta do patrocínio mexe com o atleta, sabe? Ficava 48 horas na estrada, dormindo em rodoviária e economizando no almoço para comer algo no jantar. Batia uma insegurança na hora da disputa”, comenta Érica, que criou a página @surfistasnegras, no Instagram, para dar visibilidade a meninas como ela. “Precisamos de um movimento para mostrar essas garotas. Quem é visto é lembrado. É importante ocuparmos espaços, servimos de espelho.” informações de O Globo.

You may also read!

Interior da Bahia em alerta com incêndios

Nesta sexta-feira (24), duas aeronaves que estavam atuando em Lençóis serão remanejadas para a região de Uibaí, no norte

Read More...

Projeto Cultura da Paz estreita relação entre estudantes e ambiente escolar no bairro de Valéria

De um lado do portão do Colégio Estadual Professora Noêmia Rego, em Valeria, está grafitado um campo de girassóis.

Read More...

MAUS TRATOS? – Filhote morre depois de desembarcar na ponte aérea São Paulo- Rio de Janeiro

A estudante Gabriela Duque Rasseli, de 24 anos, cobrou a companhia aérea Latam por possíveis maus-tratos contra seu cachorro

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu