Fotógrafo sobrevivente a queda de avião vai lançar livro de imagens aéreas da Bahia

In Cultura On

Se as fotos do baiano Rui Rezende já são de fazer os olhos brilharem, a história por trás das lentes é tão brilhante quanto. Quem vê os registros do fotógrafo com mais de 23 anos de carreira, não imagina o que ele passou até chegar à fase final do seu oitavo livro, intitulado Bahia Aérea. Uma obra pensada e trabalhada há mais de uma década, com o objetivo de retratar as belezas do nosso estado visto de cima. Cliques dos quatro cantos da Bahia, percorrida pelo céu por este baiano, sobrevivente de um acidente aéreo.

O lançamento do oitavo livro do fotógrafo, previsto para o próximo mês de setembro, acontece oito anos depois da queda do avião em que ele voava para fazer fotos para esse livro. O baiano fotografava um desenho gigantesco feito numa lavoura de algodão, por ele mesmo e mais 7 pessoas, com a ajuda de duas máquinas e cordas. A aeronave caiu no dia 24 de julho de 2014, no município de Barreiras, no oeste do estado.

Rui ficou 42 dias internado, sendo dez deles em coma. Ele precisou passar por seis cirurgias. Apesar do susto do acidente, Rui não perdeu a paixão por voar. Um encanto que lhe acompanha desde a infância, quando pensava em ser piloto da Força Aérea Brasileira (FAB). “Voar e fotografar são as melhores coisas que a gente pode fazer vestido. Se uma mariposa passar em minha frente e me disser que me aguenta, eu monto nas asas dela e saio voando”, brincou o fotógrafo, que já saltou algumas vezes de paraquedas. O baiano tem sido tão determinado nesse trabalho que, depois da queda do avião, a primeira foto que ele fez foi aérea e para esse livro.

Para fazer o registro, o amargosense sobrevoou de helicóptero uma das maiores festas populares de Salvador, a procissão marítima do Bom Jesus dos  Navegantes. “Foi no dia 1° de janeiro de 2015. Fretei o helicóptero para voar e retratar esta procissão, já pensando no meu livro com fotos aéreas do estado da Bahia”, contou Rui, que seguiu trabalhando para a sua oitava obra, voando de todo tipo de aeronave. Entre elas, parapente, paramotor, paratracker, balão, flyboat, girocóptero, helicóptero e avião.

O fotógrafo já se aproxima de 500 horas de voo, só pela Bahia, chegando a marca de quase 100 mil fotos tiradas. Deste total, 240 serão escolhidas pelo amargosense para compor o livro Bahia Aérea. A coletânea vai reunir imagens desde a capital até as cidades mais remotas do estado, com lugares pouco frequentados, nunca fotografados antes. Registros da flora e da fauna, manifestações culturais, costumes e do dia a dia dos personagens da vida real.

Festas como a de Yemanjá, realizadas tanto em Salvador, quanto em Barreiras. Paisagens como cachoeiras, montanhas e praias. Diversos tipos de meios de transporte que trafegam pelo estado, a exemplo de cavalo, bicicleta, trator e navio. Cliques feitos de cima em todas as regiões do estado, nenhum deles com drone.

O livro também traz Parques Nacionais belíssimos, mas ainda pouco divulgados, como o do Alto do Cariri e do Grande Sertão Veredas. Sem falar da agricultura, desde a familiar ao agronegócio. Bem como das feiras livres, dos portos e aeroportos, das estradas, pontes, indústrias e da arquitetura típica de cada região sobrevoada. Tudo isso pelo olhar diferenciado do experiente fotógrafo, com o uso dos melhores equipamentos existentes no mundo. O baiano tem como premissa o respeito pelas pessoas e pelos lugares. Apesar das obras de arte pintadas pelas suas lentes, Rui Rezende não gosta de ser chamado de artista. “O artista é Deus, eu sou apenas o retratista”, define o amargosense.

Sobre Rui Rezende – Rui nasceu em Amargosa, região do Vale do Jiquiriça, onde vendeu limão na feira, teve criação de codornas e também plantou frutas e legumes na fazenda da mãe. Aos 17 anos, se mudou para trabalhar e estudar em Salvador, onde se encantou pela fotografia, ao se tornar funcionário de uma laboratório fotográfico. Na época, a câmera era analógica e a revelação manual (ainda no quarto escuro). Autodidata, Rui aprendeu a fotografar na prática, observando as próprias imagens e criando técnicas. Naquele tempo só era possível ver o resultado das fotos quase 30 dias depois de tiradas. Quando fotografava o interior, ele precisava voltar para Salvador para revelar dezenas de filmes.

O amargosense comprou sua primeira câmera em 1999 e a partir de 2003 passou a dedicar-se quase que exclusivamente a fotografia de natureza. Em 2011, lançou a primeira das suas sete obras. Rui é conhecido pelo olhar minucioso e rigoroso, assim como pelas técnicas usadas na hora da foto. Ele não faz nenhuma intervenção nas suas imagens pelo computador, além de correção de cores e luz.

O retratista é autor dos livros “Amargosa Nossa Terra Nossa Gente”, “Vaqueiros do Raso da Catarina”, “Oeste da Bahia – o Novo Mundo”, “Chapada Diamantina um Paraíso Desconhecido”, “Encantos de Tinharé”, “Cairu – Cidade do Sol” e também da publicação “Unidades de Conservação do Estado da Bahia”. Folhear um livro de Rui Rezende é viajar por lugares fantásticos, vendo as pessoas e a natureza de uma maneira especial.

Acidente Aéreo – Por volta das 11h do dia 24 de julho de 2014, o avião em que Rui Rezende estava caiu no município de Barreiras. Ele buscava o melhor ângulo para uma foto quando a aeronave veio ao chão. Rui Rezende foi levado para o Hospital do Oeste, em Barreiras.

         O fotógrafo ficou em coma e só retomou a consciência dez dias depois do acidente, após ser transferido para o Hospital São Rafael, em Salvador. O amargosense sofreu trauma na coluna, pé, braço e chegou a perder uma parte do intestino. Saiu do hospital sem conseguir mexer as pernas. Foram necessários mais de seis meses de fisioterapia para conseguir voltar a andar sem muletas. Com 33 parafusos espalhados pelo corpo e 60 cm a menos de intestino, ele conta que não há nenhuma limitação nos movimentos e que sente-se cada vez mais motivado a fotografar. Ele considera-se na melhor fase da sua carreira.

O livro Bahia Aérea promete e muito e já é esperado por milhares dos seguidores de Rui que têm acompanhado as expedições aéreas do fotógrafo, pelo Instagram @ruirezendefotos.

You may also read!

Auxílio Taxista começa a ser pago hoje com parcela dobrada

Cerca de 245 mil taxistas recebem nesta terça-feira (16) as duas primeiras parcelas do Auxílio Taxista, benefício emergencial para compensar o aumento

Read More...

Salvamar promove capacitação para surfistas

A Coordenadoria de Salvamento Marítimo (Salvamar) promove o projeto Surf Salva, em parceria com a Sociedade Brasileira de Salvamento

Read More...

Fundação José Silveira participa de planejamento estratégico para multiplicação de centros florestais em todos os biomas brasileiros

A Unidade de Segurança, Saúde e Meio Ambiente (USSMA) da Fundação José Silveira participou da I Oficina de Alinhamento

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu