Novo ministro da Defesa fala em celebrar aniversário do Golpe de 1964

In Brasil On
- Updated

“Eventos ocorridos há 57 anos, assim como todo acontecimento histórico, só podem ser compreendidos a partir do contexto da época.” Assim começa a mensagem alusiva ao 31 de março de 1964 assinada pelo novo ministro da Defesa, Walter Souza Braga Netto, que assumiu o posto nesta semana após divergências entre seu antecessor e o presidente Jair Bolsonaro sobre o papel político das Forças Armadas.

Ao longo de pouco mais de 2 mil palavras, Braga Netto cita o cenário geopolítico polarizado na Guerra Fria, que em suas palavras representava uma “ameaça real à paz e à democracia” do país. Ele afirma que o movimento militar de 1964 que derrubou o governo eleito de João Goulart “é parte da trajetória histórica do Brasil” e “assim devem ser compreendidos e celebrados os acontecimentos daquele 31 de março”.

Em 2019, Bolsonaro gerou forte reação ao determinar a celebração do golpe que instaurou uma ditadura no país, e o caso se transformou em uma disputa judicial. Dois anos depois, a demissão do ministro da Defesa, Fernando Azevedo, e dos chefes do Exército, Aeronáutica e Marinha, e a nota de Braga Netto dão novos contornos à participação ativa dos militares na política nacional.Fiadores da candidatura de Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018, os militares deram força ao sentimento antipetista e antipolítica naquele pleito, apontam analistas. Vitoriosos, eles ocuparam a vice-presidência, ministérios estratégicos (inclusive com generais da ativa) e milhares de cargos comissionados no governo federal.

Em 2021, a pressão pública crescente sobre Bolsonaro por causa do agravamento da pandemia de coronavírus, que mata quase 4 mil pessoas por dia no Brasil e impacta duramente a economia, ampliou a cobrança do presidente por um posicionamento político mais ostensivo e mais alinhado das Forças Armadas.

Um episódio simbólico da divergência ocorreu em maio de 2020, quando Bolsonaro tentou apertar a mão de Edson Pujol, então comandante do Exército, e este lhe ofereceu o cotovelo, seguindo orientações internacionais para evitar a transmissão do vírus.

O gesto teria irritado o presidente. Enquanto Bolsonaro minimizava o coronavírus como uma “gripezinha”, Pujol afirmava que a pandemia “talvez seja a missão mais importante de nossa geração”.

Um dos principais pontos desse embate que culminou na demissão de Pujol e outros três colegas está entre cumprir políticas de governo ou políticas de Estado. Mas o que costuma atrair mais holofotes na imprensa é a defesa da ditadura militar por parte de bolsonaristas, com citações ao AI-5 (ato de dezembro de 1968 que fechou o Congresso e cassou liberdades individuais), negação de assassinatos e torturas e exaltações ao golpe militar de 31 de março de 1964, chamado de revolução ou movimento pelos militares. Informações da Folha de São Paulo, foto: Arquivo Nacional.

You may also read!

Após falas homfóbicas, Maurício Souza tem contrato encerrado por time

Até então atleta do Minas Tênis Clube, Maurício Souza tem contrato rescindido pelo time nesta quarta-feira (27). Decisão foi

Read More...

Limpeza no mar celebra o Dia da Baía de Todos-os-Santos

Foto: Igor Santos/Secom Na próxima segunda-feira (1°), Dia da Baía de Todos-os-Santos, a Prefeitura, através da Empresa de Limpeza

Read More...

Projeto foca na redução da mortalidade materna em Salvador

Foto: Jefferson Peixoto/Secom Para reduzir a morbimortalidade (doenças e mortalidade) materna em Salvador, a Prefeitura, através da Secretaria Municipal

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu