Novo ministro da Defesa fala em celebrar aniversário do Golpe de 1964

In Brasil On
- Updated

“Eventos ocorridos há 57 anos, assim como todo acontecimento histórico, só podem ser compreendidos a partir do contexto da época.” Assim começa a mensagem alusiva ao 31 de março de 1964 assinada pelo novo ministro da Defesa, Walter Souza Braga Netto, que assumiu o posto nesta semana após divergências entre seu antecessor e o presidente Jair Bolsonaro sobre o papel político das Forças Armadas.

Ao longo de pouco mais de 2 mil palavras, Braga Netto cita o cenário geopolítico polarizado na Guerra Fria, que em suas palavras representava uma “ameaça real à paz e à democracia” do país. Ele afirma que o movimento militar de 1964 que derrubou o governo eleito de João Goulart “é parte da trajetória histórica do Brasil” e “assim devem ser compreendidos e celebrados os acontecimentos daquele 31 de março”.

Em 2019, Bolsonaro gerou forte reação ao determinar a celebração do golpe que instaurou uma ditadura no país, e o caso se transformou em uma disputa judicial. Dois anos depois, a demissão do ministro da Defesa, Fernando Azevedo, e dos chefes do Exército, Aeronáutica e Marinha, e a nota de Braga Netto dão novos contornos à participação ativa dos militares na política nacional.Fiadores da candidatura de Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018, os militares deram força ao sentimento antipetista e antipolítica naquele pleito, apontam analistas. Vitoriosos, eles ocuparam a vice-presidência, ministérios estratégicos (inclusive com generais da ativa) e milhares de cargos comissionados no governo federal.

Em 2021, a pressão pública crescente sobre Bolsonaro por causa do agravamento da pandemia de coronavírus, que mata quase 4 mil pessoas por dia no Brasil e impacta duramente a economia, ampliou a cobrança do presidente por um posicionamento político mais ostensivo e mais alinhado das Forças Armadas.

Um episódio simbólico da divergência ocorreu em maio de 2020, quando Bolsonaro tentou apertar a mão de Edson Pujol, então comandante do Exército, e este lhe ofereceu o cotovelo, seguindo orientações internacionais para evitar a transmissão do vírus.

O gesto teria irritado o presidente. Enquanto Bolsonaro minimizava o coronavírus como uma “gripezinha”, Pujol afirmava que a pandemia “talvez seja a missão mais importante de nossa geração”.

Um dos principais pontos desse embate que culminou na demissão de Pujol e outros três colegas está entre cumprir políticas de governo ou políticas de Estado. Mas o que costuma atrair mais holofotes na imprensa é a defesa da ditadura militar por parte de bolsonaristas, com citações ao AI-5 (ato de dezembro de 1968 que fechou o Congresso e cassou liberdades individuais), negação de assassinatos e torturas e exaltações ao golpe militar de 31 de março de 1964, chamado de revolução ou movimento pelos militares. Informações da Folha de São Paulo, foto: Arquivo Nacional.

You may also read!

CBSURF: Onze de quinze Federações exigem Assembleia Geral para a Confederação Brasileira de Surfe

A novela que se tornou a CBSurf vem escravizando nossas mentes e abusando de nossa tolerância desde que descobriu-se

Read More...

WSL: Ítalo vence voando em Newcastle e assume a liderança do ranking

A Liga Mundial de Surfe se esforçou para realizar e realizou com sucesso o segundo evento da elite do

Read More...

Imunização contra gripe começa nesta segunda em Salvador

A vacinação contra a gripe em Salvador começa hoje (12), a partir das 8h. A campanha será dividida em

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu