PROTESTO NOS PLAYOFFS DA NBA

In Esporte On
- Updated

Em protesto, o Milwaukee Bucks não entrou em quadra nesta quarta-feira para enfrentar o Orlando Magic pelos playoffs da NBA. O boicote foi uma forma de apoiar os novos protestos antirracistas, reavivados depois que a polícia do estado de Wisconsin atirou sete vezes pelas costas em Jacob Blake, um homem negro, no último domingo.

Os jogadores dos Bucks permaneceram nos vestiários enquanto o rival entrou em quadra para o aquecimento. Pouco antes do horário marcado para o início, o time do Orlando Magic também se retirou. Na sequência, os árbitros fizeram o mesmo.

A postura da equipe de Milwaukee antecipou o movimento que começou com os jogadores de Toronto Raptors e Boston Celtics. Eles estavam cogitando não entrar em quadro para o jogo 1 das semifinais da Conferência Leste, agendado para quinta-feira.

O boicote foi uma maneira encontrada para reforçar o descontentamento pela falta de efeito nos protestos realizados pelos jogadores na ‘bolha’ da NBA. Deste o retorno da temporada foram realizadas uma série de manifestações em apoia à luta contra discriminação racial, ainda sob o efeito da morte de George Floyd. Jogadores se ajoelham durante o hino nacional, usam camisas com a expressão “Black Lives Matter” (Vidas Negras Importam, em tradução livre) e também estampam em seus uniformes mensagens de justiça social.

No último domingo, em Wisconsin, os policiais respondiam a um distúrbio doméstico. Segundo os advogados de Blake, o homem de 29 anos tentava separar uma briga entre duas mulheres. Ele foi conduzido pelos policiais até a porta de seu carro, onde levou sete tiros na frente de seus três filhos, que estavam no veículo. Está internado em estado estável segundo sua família. Toda a cena foi filmada por um morador e as imagem foram espalhadas internacionalmente.

Astros da NBA como LeBron James, do Los Angeles Lakers, e Donovan Mitchell, do Utah Jazz, pediram justiça em suas redes sociais. Os jogadores consideram que a liga não está dando a atenção necessária à pauta antirracista e se sentem presos na bolha em Orlando, impossibilitados de agir. LeBron chegou a dizer que se sente aterrorizado, com medo, como homem negro.

“É traumatizante. Me sinto preso aqui. Viemos para a bolha com objetivo de espalhar uma mensagem e não está acontecendo. A gente sente que não esta fazendo nada de produtivo aqui dentro”, afirmou o camaronês Pascal Siakam, uma das estrelas do Toronto Raptors, em entrevista à ESPN americana.

You may also read!

Incêndio atinge fábrica de vaciba para o COVID-19 na Índia

Um incêndio atingiu hoje (21) uma das maiores produtoras mundial de vacinas, uma fábrica da Serum Institute da Índia.

Read More...

Com embaixadores, Rui Costa busca atrair nova indústria automobilística e mais oportunidades para a Bahia

O governador da Bahia, Rui Costa, está numa agenda propositiva frente aos impactos que o fechamento da montadora Ford

Read More...

Corpo decasal de estudantes que viajava de Brasilia para Sobral, é encontrado na Bahia

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) encontrou, por volta das 12h40 desta segunda-feira (18), um carro com os corpos do

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu