COVID-19 – Obesidade é um dos fatores de risco

In Mundo On

Segundo estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS), publicado em dezembro de 2019, 2,3 bilhões de pessoas no mundo estão com sobrepeso ou obesidade. No Brasil, a estimativa é que 55,7% dos brasileiros estavam obesos em 2018, data da publicação da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde, divulgado em julho de 2019.

A obesidade é causada, principalmente, pela alimentação inadequada ou excessiva (quando há abundância de alimentos e baixa atividade energética), mas também pode ocorrer por fatores genéticos ou até psicológicos como o estresse, ansiedade, depressão, que podem desencadear a compulsão alimentar. Distúrbios endócrinos também podem estar presentes. Por sua vez, episódios de apneia do sono, dificuldade para movimentar-se, cansaço frequente e distúrbios no ciclo menstrual nas mulheres podem acompanhar a obesidade.

Problema importante é constituído pelo acúmulo de gordura no organismo que aumenta o risco de doenças como hipertensão arterial, asma, diabetes, apneia do sono, acúmulo de gordura no fígado e outras doenças crônicas que, neste momento de pandemia da Covid-19, incluem as pessoas no chamado grupo de risco.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Natal, a vítima mais jovem a falecer no Brasil com a COVID-19, um jovem de 23 anos do Rio Grande do Norte, era obeso e veio a óbito no último dia 31 de março, em um hospital particular.

“A melhor maneira de se prevenir, além dos cuidados gerais com a hipertensão, diabetes, hipercolesterodemia, entre outros, é estar atento à ingestão de alimentos saudáveis, ricos em proteínas, fibras e sais minerais e pobres em açúcar e gorduras. A ingestão de uma boa quantidade de água é desejável, além da realização de atividade física de rotina”, afirma Joaquim Prado de Moraes Filho, Diretor de Comunicação da Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG).

Em casos mais complexos, o uso de medicamentos, desde controladores de apetite até os que reduzem a absorção de gordura pelo organismo, podem ser utilizados. “A cirurgia bariátrica é recomendada para pessoas que possuam IMC acima de 35 e que tenham enfermidades associadas à obesidade e para aqueles que têm IMC acima de 40 e não conseguem emagrecer com outros tratamentos”, afirma o médico.

De todo modo, a melhor maneira de se evitar o sobrepeso e a obesidade é a adoção de hábitos alimentares saudáveis e a prática regular de exercícios desde cedo. “Temos que lembrar também das crianças. De acordo com o Vigitel, cerca de 12,7% dos meninos e 9,4% das meninas são obesos. Caso não se tome uma medida com relação ao assunto, a OMS projeta que o número de crianças com sobrepeso e obesidade pode chegar a 75 milhões no mundo”, finaliza Joaquim Prado de Moraes Filho.

Sobre a FBG

A Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG) é uma sociedade sem fins lucrativos, que promove e representa a especialidade no Brasil. Moderna e atuante, congrega 4.300 associados e participa, juntamente com 64 especialidades reconhecidas, do Conselho Científico da Associação Médica Brasileira (AMB). Fundada em 1949 para apoiar e desenvolver o conhecimento científico da especialidade no Brasil, a FBG representa 23 Federadas em todo o território nacional.

You may also read!

Novo decreto do governo da Bahia libera bares , bebida e aulas semipresenciais

As unidades de ensino, públicas e particulares, de Salvador podem retomar as atividades de forma semipresencial. Considerando que a

Read More...

COPA DO NORDESTE – Bahia mira decisão contra o Ceará

Depois de sair perdendo por 2 a 0, o Bahia buscou o empate diante do Independiente, na última terça-feira

Read More...

Mudança de secretários fortalece o PP no governo da Bahia

Foi publicado nesta quarta-feira (5), no Diário Oficial do Estado, as mudanças no secretariado anunciadas pelo governador Rui Costa

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu