Billabong Pro Tahiti teve início em ondas inconsistentes de meio a 1 metro na bancada de Teahupoo. Como a previsão das ondas não é muito animadora, a World Surf League…

WSL THAITI – Brasileiros seguem na disputa

WSL THAITI – Brasileiros seguem na disputa

Billabong Pro Tahiti teve início em ondas inconsistentes de meio a 1 metro na bancada de Teahupoo. Como a previsão das ondas não é muito animadora, a World Surf League optou por aproveitar o primeiro dia da janela de espera e já confirmou que pretende finalizar a competição no domingo.

Nesta sexta-feira, foram disputadas as baterias da primeira fase e os quatro primeiros duelos da repescagem.

Destaque para Ian Gouveia, autor de 15.00 pontos, maior somatório do competição até o momento.

Com notas 7.17 e 7.83, Ian bateu o taitiano Michel Bourez e o português Frederico Morais na última bateria da primeira fase.

“Estou muito empolgado de competir em Teahupoo. É uma onda na qual preciso adquirir mais experiência, mas foi ótimo estar aqui e avançar”, comemora Ian.

Antes, Adriano de Souza, Italo Ferreira e Gabriel Medina já haviam estreado com vitória.
Adriano bateu seus adversários com 5.50 e 3.27, contra 5.17 e 1.10 do norte-americano Nat Young e apenas 1.30 e 2.33 do australiano Bede Durbidge.

Com um tubo salvador na última onda, Italo Ferreira conseguiu 7.67 e virou o placar contra os australianos Owen Wright e Josh Kerr. O brasileiro teve 4.83 na primeira onda e totalizou 12.50 pontos, contra 9.40 de Owen e 7.57 de Josh.

Já Medina teve uma vitória tranquila no duelo com o australiano Stuart Kennedy e compatriota Caio Ibelli.

Com um bom tubo no início da bateria que rendeu 7.33 pontos, o atleta ficou em situação mais confortável no outside.

Depois de ampliar vantagem com 5.90, Medina ainda conseguiu dificultar de vez a situação dos adversários ao descolar 6.73.

Stuart e o brasileiro Ibelli não conseguiram reverter a situação e terminaram em segundo e terceiro, respectivamente.

“Eu simplesmente amo Teahupoo, é uma onda divertida. Estamos no paraíso e isso me deixa confortável”, afirma Medina. “Tive alguns bons resultados aqui no passado, especialmente quando ganhei o evento com altas ondas. Todos são capazes de ganhar aqui, especialmente nessas condições, mas estou confiante.”, completa o brasileiro, campeão em Teahupoo em 2014.

Já os atletas Jadson André, Wiggolly Dantas, Filipe Toledo, Miguel Pupo e Caio Ibelli foram derrotados e caíram para a repescagem.

Filipinho retornou ao outside para enfrentar o australiano Ethan Ewing na terceira bateria da repescagem e novamente se deu mal. Em um confronto com pouquíssimas ondas, o brasileiro esperou pelas séries, mas o tempo foi passando e a situação ficou dramática.

Filipe chegou a virar o placar com 1.57 e 1.83, mas Ethan encontrou um pequeno tubo, acertou uma batida na junção e fez 5.83. Logo atrás, em uma onda sem o mesmo potencial, Filipe investiu nas manobras e obteve 4.23.

Na volta ao outside, o brasileiro foi mais rápido e recuperou a prioridade, mas Ethan – que reassumiu a liderança – apostou numa onda menor e ainda conseguiu ampliar a vantagem com 4.23. Filipe, por sua vez, optou por buscar uma onda melhor e não foi feliz na estratégia.

Foi a primeira vitória de Ethan em seu primeiro ano na elite mundial.

Ainda pela repescagem, Jordy Smith superou o taitiano Taumata Puhetini por 11.83 a 9.60, Owen Wright bateu o basco Aritz Aranburu pelo placar de 14.50 a 12.10 pontos e Mick Fanning derrotou o compatriota Josh Kerr por 13.00 a 8.16.

A próxima chamada acontece às 13:30h (horário de Brasília) deste sábado e a WSL planeja dar continuidade à repescagem a partir das 14h, finalizando o round 3 na sequência.

O objetivo é promover as fases seguintes no domingo, quando deve ser conhecido o grande campeão do Billabong Pro Tahiti.

Informações e foto de WSL e Waves.

  • Redes Socias:

Deixe uma resposta