O Brasil amanheceu mais triste, perdemos Riachão

In Cultura On

O samba da Bahia está em luto. Morreu nesta segunda-feira (30/3) o sambista Riachão – nome artístico do cantor e compositor baiano Clementino Rodrigues. Aos 98 anos, ele teria passado mal durante à noite, chegou a ser socorrido, por uma equipe médica, em sua residência, no bairro do Garcia, em Salvador, mas não resistiu. Ainda não se sabe a causa da morte.

Autor de clássicos como “Cada Macaco no seu Galho” e “Vá Morar com o Diabo”, o sambista baiano dizia ter mais de 500 composições e, embora tenha lançado apenas três álbuns individuais, teve músicas gravadas por Jackson do Pandeiro, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa e Cássia Eller, entre outros nomes. Suas criações fazem referência a cenas, situações e personagens da vida cotidiana da Bahia —não à toa, foi apelidado de cronista musical da cidade em seus tempos de cantor de rádio.

Clementino Rodrigues, conhecido como Riachão, nasceu em Salvador e cresceu no bairro Garcia. Começou a cantar aos 9 anos e fez a primeira composição aos 12.Pela irreverência malandra da obra e pela vitalidade do artista, Riachão resistia como uma das mais perfeitas traduções do buliçoso samba da Bahia.

You may also read!

Transporte coletivo intermunicipal é liberado em 303 municípios baianos

Cidades inseridas em macrorregiões de saúde que apresentaram redução na taxa de contaminação e de ocupação de leitos para

Read More...

ELES PASSARAM A BOIADA, E AGORA INVENTARAM OUTRA MENTIRA

Ao lado do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e do deputado estadual (PSL-SP) Frederico D’Ávila, o presidente Jair

Read More...

Justiça Militar ignora congelamento e prevê R$ 2 milhões para novos cargos

A Justiça Militar ignorou o impedimento de contratação de novos servidores, previsto na lei complementar 173, e incluiu a

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu