“Emergência Climática” é palavra do ano

In Artigos On

O Brasil passou vergonha, foi visto pelo mundo todo como um país de mentirosos ao negar o desmatamento e as queimadas na Amazônia. Na contramão do dito pelas autoridades, 2019 foi um ano marcado pela agressão galopante e desenfreado na Amazônia. Pois, levados pelos indícios das mudanças do clima pelo planeta afora, denúncias, ações de ativistas e preocupação de países vários, o dicionário Oxford escolheu – como faz tradicionalmente todos
os anos – a expressão “emergência climática” ou climate emergency, como a palavra do ano de 2019.

Claro que a desafeta de Trump e de Jair Bolsonaro, a adolescente Greta Thunberg, escolhida pela revista Time como a personalidade do ano, ajudou muito a Oxford eleger o verbete que expressa o caráter, humor ou preocupações do ano que se vai. Os dicionaristas também optam por escolher as expressões e palavras que terão um significado duradouro. E a questão do ambiente não se findará num ano novo. Neste caso pode levar décadas, ou, quem sabe, até o fim do mundo. No ano de 2018, escrevi aqui, foi escolhida a palavra “tóxico”. O mundo se encontrava – e ainda continua – num estado tal que tudo faz mal, seja na questão ambiental, social ou política e o Brasil contribui em muito para este estado, notadamente com sua neo-indigência política.

A “emergência climática”, conforme levantou a Universidade de Oxford, que fica no Reino Unido, começou o ano de 2019 quase sem chamar a atenção, mas foi ganhando corpo até dominar os meios de comunicação e as discussões, como tema recorrente. No mês de setembro, para citar um período. A utilização da expressão superou em mais de cem vezes a ocorrência registrada em 2018. Foi um período de protestos pelo planeta, pedindo mais ações
dos governos para evitar o caos no clima.

Palavras equivalentes também foram detectadas. Expressos: “crise climática”, “ação climática”, “previsão climática”, “variação climática” e muitas correlatas. A Oxford mostra que houve aumento da frequência da palavra em trabalhos científicos. Cita por exemplo artigo da revista “BioScience” – assinado por 11.258 cientistas de 153 países – defendendo a “obrigação moral” de cientistas de “alertar claramente a humanidade sobre qualquer ameaça catastrófica” e apresentar suas pesquisas para demonstrar “que o planeta enfrenta uma emergência climática”.
Em 2019 a questão ganhou nível multilateral na ONU – Organização das Nações Unidas com a Cúpula do Clima feita às vésperas da Assembleia-Geral. Também no encontro do G-7, na França, as queimadas na Amazônia, que chocam o mundo civilizado, foi o centro das atenções.

Os ativistas conseguiram demonstrar força, pressionando governos e organismos internacionais promovendo grandes e históricas manifestações. As rebeliões se espalharam, teve greve, teve coquetel Molotov, balas de borracha. Tudo em nome do santo clima. Pense nisso quando você agir contra o meio-ambiente ou apoiar quem não liga a mínima. Estamos numa “emergência climática” cara pálida.

Texto: Jolivaldo Freitas

Foto: Divulgação

You may also read!

Ivete Sangalo e Daniela Mercury cantam para a pipoca na terça-feira

O último dia da programação do Carnaval da Bahia, promovida pelo Governo do Estado por meio da Bahiatursa, vai

Read More...

Fundação José Silveira realiza evento científico para discutir panorama atual do Coronavírus

A evolução da emergência global por Coronavírus COVID – 19, formas de transmissão e de prevenção foram alguns dos

Read More...

Elevador Lacerda e planos inclinados  funcionam gratuitamente durante o Carnaval

Com o intuito de assegurar a mobilidade dos foliões que vão transitar entre a Cidade Alta e a Cidade

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu