Subsecretário de Witzel é preso em operação contra Garotinho

In Brasil On
- Updated

O subsecretário de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos do governo do Rio de Janeiro, Sérgio dos Santos Barcelos, foi preso nesta terça-feira, 3, na operação que teve como alvo os ex-governadores Anthony e Rosinha Garotinho.

Barcelos foi nomeado para o cargo pelo governador Wilson Witzel em 19 de agosto. Até aquela data, o subsecretário ocupou cargo de chefe de gabinete do deputado estadual Gil Vianna, do PSL.

Segundo informações premilinares da investigação do Ministério Público, o atual subsecretário de Witzel teria recebido propinas junto com os ex-governadores em obras da Odebrecht para construção de casas populares na cidade de Campos dos Goytacazes, na época em que Rosinha era prefeita da cidade.

Outras duas pessoas alvos da operação deflagrada nesta terça também tem passagens pela Assembleia Legislativa do Rio. Angelo Alvarenga Cardoso Gomes, acusado de operar para o casal Garotinho, está lotado desde fevereiro deste ano no gabinete do vice-presidente da Alerj, Jair Bittencourt (PP). A VEJA, o parlamentar afirmou que o funcionário será exonerado. Angelo já foi preso.

Já Gabriela Trindade Quintanilha, apontada como participante da quadrilha que operaria as propinas para o casal Garotinho, ainda não foi presa. Ela está lotada na Alerj desde fevereiro de 2015, tendo passado pelos gabinetes do ex-deputado estadual Rogério Lisboa (atual prefeito de Nova Iguaçu, do PL) e está atualmente no gabinete da deputada Lucinha (PSDB).

You may also read!

Transporte coletivo intermunicipal é liberado em 303 municípios baianos

Cidades inseridas em macrorregiões de saúde que apresentaram redução na taxa de contaminação e de ocupação de leitos para

Read More...

ELES PASSARAM A BOIADA, E AGORA INVENTARAM OUTRA MENTIRA

Ao lado do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e do deputado estadual (PSL-SP) Frederico D’Ávila, o presidente Jair

Read More...

Justiça Militar ignora congelamento e prevê R$ 2 milhões para novos cargos

A Justiça Militar ignorou o impedimento de contratação de novos servidores, previsto na lei complementar 173, e incluiu a

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu