Moro deixa perguntas sem respostas

In Política On
- Updated

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, prestou esclarecimentos em sessão na Câmara dos Deputados, nesta terça-feira, 02, sobre os diálogos atribuídos a ele, quando era juiz, e procuradores da Lava Jato – entre eles o chefe da força tarefa de Curitiba, Deltan Dallagnol – que vêm sendo divulgados pelo site The Intercept Brasil.

Investigação sobre Glenn Greenwald

O principal deles foi se a Polícia Federal – vinculada ao Ministério da Justiça – solicitou ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) – ligado à Economia – um monitoramento sobre as movimentações financeiras de Glenn Greenwald, o jornalista responsável pelos vazamentos das conversas. A informação foi publicada pelo site O Antagonista. Indagado, Moro não confirmou, mas também não negou.“A Polícia Federal tem absoluta autonomia. Eu não interfiro nessas investigações específicas. Não é o caso, para mim. Eu não participo dessas investigações específicas”, disse o ex-juiz.

Conversas com advogados de defesa

Assim como no Senado, Moro não entrou no mérito dos conteúdos da mensagens, alegando que não poderia reconhecer sua autenticidade e que não lembra dos diálogos, ao mesmo tempo em que evita dizer que são falsos e afirma que o que foi vazado até agora não compromete sua atuação como juiz. Para ele, conversas entre magistrados e procuradores é “trivial”. O ministro, no entanto, não respondeu se destinava aos advogados de defesa o mesmo tratamento dado aos membros da acusação, dizendo apenas que chegou a dar algumas sugestões a advogados durante audiências.

Mensagens por áudio com procuradores

Moro também não respondeu à pergunta do deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ) se ele havia trocado mensagens de áudio com procuradores, uma vez que, segundo o deputado, seriam mais difíceis de ser esquecidas. Diante da insistência de Freixo, o ministro novamente disse que as mensagens podem ter sido adulteradas.

Negação das mensagens

O deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) indagou se Moro, não só não confirmava, mas negava “peremptoriamente” alguma das mensagens. O ex-juiz disse que há indícios de adulteração em algumas mensagens.

Relação com advogado

Em um dos momentos de maior ofensiva do ministro, ele respondeu à deputada Gleisi Hoffmann (PT-RS) que o questionamento se ele mantinha uma conta no exterior era “uma maluquice” e que “repudiava” a pergunta da presidente nacional do PT sobre suas relações com o advogado trabalhista Carlos Zucolotto – a quem o doleiro Tacla Duran, denunciado na Lava Jato, atribui supostos diálogos para intermediar sua delação. “Não sou eu que sou investigado por corrupção”, respondeu.

You may also read!

TÚLIO GADELHA (PDT-PE) – Propõe tipificação específica para crimes cometidos contra imprensa

Projeto de lei apresentado na Câmara dos Deputados propõe uma tipificação específica de crimes cometidos contra profissionais da imprensa.

Read More...

RODRIGO MAIA – “QUEM DERRUBA A ECONÔMIA É O CORONA VÍRUS”

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, discursou hoje (26) no plenário da Casa e disse que quem

Read More...

WITZEL – STJ autoriza apreensão de obras de arte e busca em salas secretas

Na decisão que autorizou a Operação Placebo, o ministro do STJ Benedito Gonçalves permitiu a apreensão de “obras de

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu