Racismo no surf feminino

In Esporte, Surf On
- Updated

Os olhos de Érica Prado ficam marejados diante da imensidão do mar. A moça é invadida por uma onda gigantesca de sentimentos. Ex-surfista profissional e jornalista esportiva, a carioca se emociona ao relembrar as dificuldades que enfrentou para viver o seu sonho. “Em Itacaré (município baiano onde cresceu), pedia ajuda aos comerciantes para bancar os custos das competições. Quando estava na água, minha preocupação era não perder num primeiro momento. Precisava dar uma alegria para as pessoas que acreditavam em mim”, diz. “O duro era ser forte quando a cabeça não estava legal. A falta do patrocínio mexe com o atleta, sabe? Ficava 48 horas na estrada, dormindo em rodoviária e economizando no almoço para comer algo no jantar. Batia uma insegurança na hora da disputa”, comenta Érica, que criou a página @surfistasnegras, no Instagram, para dar visibilidade a meninas como ela. “Precisamos de um movimento para mostrar essas garotas. Quem é visto é lembrado. É importante ocuparmos espaços, servimos de espelho.” informações de O Globo.

You may also read!

FOR SAMA

Hoje assisticao documentário For Sama (Para Sama, em português) é o filme favorito para desbancar Democracia em Vertigem, da

Read More...

TROPA DE CHOQUE – Bolsonaristas prometem confrontar Moro no Congresso

Ao mesmo tempo em que faz acenos ao partidos do chamado Centrão, inclusive com a oferta de cargos, para

Read More...

BAHIA – ICMS cresce no primeiro trimestre de 2020, apesar do coronavírus

A redução da atividade econômica por força das medidas de isolamento social para combater o coronavírus ainda não apresentou

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu