MPF diz ao STJ que Lula pode cumprir pena no regime semiaberto

In Política On
- Updated

Em um parecer apresentado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), o Ministério Público Federal (MPF) disse entender que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde 7 de abril de 2018, tem direito a cumprir no regime semiaberto a pena imposta a ele no caso do tríplex do Guarujá (SP). Neste tipo de regime carcerário, o preso tem autorização para deixar a cadeia durante o dia para trabalhar e volta à noite. Lula está detido em uma sala de Estado-maior na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Assinada pela subprocuradora-geral da República Áurea Lustosa Pierre e apresentada no dia 21 de maio, a posição do MPF foi incluída nos embargos de declaração do órgão em relação ao acórdão do julgamento em que Lula foi condenado pela Quinta Turma do STJ.

Em 23 de abril, os cinco ministros do colegiado consideraram o petista culpado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, mas reduziram a pena de 12 anos e 1 mês de prisão aplicada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), de segunda instância, para 8 anos, 10 meses e 20 dias de prisão. Considerando a nova sentença e a condição de cumprimento de um sexto da pena em regime fechado para progressão, Lula poderia ir ao semiaberto em setembro.

Nos embargos de declaração, o MPF afirma que houve omissão na decisão dos ministros “quanto ao regime prisional (aplicada a Detração no âmbito do STJ)”.

“Assim, data maxima venia, pela complementação do Julgado, para que – após procedida Detração (no âmbito do STJ), seja fixado o regime Semiaberto para o cumprimento da pena, ou determinado ao Juízo de 1º grau (das Execuções) a aplicação do CP-art. 42″, afirma a subprocuradora Áurea Lustosa.

Em outra manifestação, apresentada no último dia 29 de maio, o MPF analisa o pedido da defesa de Lula para que ele cumpra a pena no regime aberto, no qual o detento pode sair durante o dia para trabalhar ou fazer cursos e deve voltar à noite a uma casa de albergado ou, na falta de estabelecimento do tipo, à sua própria casa.

Neste caso, no entanto, a subprocuradora-geral da República se limita a dizer que “fica a critério do julgador” decidir sobre o assunto, já que se trata de ex-presidente da República e a questão “não tem disciplinamento legal”.

Como os embargos de declaração do MPF e de condenados, como Lula, foram movidos contra a decisão coletiva da Quinta Turma do STJ, caberá ao colegiado analisá-los e definir se o petista poderá progredir de regime ou não. Informações da Revista Veja.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

You may also read!

Espaços Boca de Brasa realizam mostra de oficinas artísticas

Neste sábado (30), às 15h, o espaço cultural Boca de Brasa CEU de Valéria, na localidade de Lagoa da

Read More...

Retinopatia diabética pode levar à cegueira irreversível, alerta oftalmologista

Responsável por mais de 400 mil mortes no Brasil, entre os anos de 2010 e 2016, de acordo com

Read More...

REMANSO – Dupla é presa com cocaína em veículo da Câmara de Vereadores de Remanso

José Freitas de Araújo Filho, o Zé Filho, e Denilson Sousa Ferreira, foram presos por tráfico de drogas, por

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu