Bolsonaro mostrou para os jornalistas, que nada será como antigamente

In Artigos On
- Updated

Por: César Marques

Nada mais será como antes. Essa é a impressão que tomou conta da maioria dos jornalistas do Brasil acostumados com a importância dada à entrevistas exclusivas, furos de notícia e prestigio que os grandes veículos de comunicação despejam em ciam do profissional que está ali por um único motivo: o fato.

Depois do dia 28 de novembro com á eleição do novo e midiático presidente Jair Messias Bolsonaro, o termo “exclusiva” fixou restrito apenas à uma ideia distante do que conhecíamos como protocolar no caso da eleição de um presidente que chegou ao poder com um banquinho, um tripé de camelô e um celular.

Bolsonaro soube como ninguém utilizar às redes sócias para envolver os eleitores sedentos de “justiça”. Com ajuda do seu filho Carlos, o trigésimo oitavo presidente brasileiro descobriu o que o s seus adversários, ainda atordoados como o tsunami que os atingiu, demoraram muito tempo para perceber. O “Bozo” como seus detratores o chamavam nas redes sócias, se tornou o “mito” imbatível nas urnas.

Muitas pessoas não acreditavam nas propostas de extrema direita de Bolsonaro. Mas o que ninguém percebeu, é que uma parcela silenciosa da população passou à acreditar nas promessas reformistas do candidato sem dinheiro, filiado a um partido desconhecido e com uma proposta clara para seus eleitores: “Pátria acima de tudo, Deus Acima de todos”.

O candidato rejeitado pela esquerda, tratado como inimigo da democracia e admirador de Carlos Alberto Ustra, denominado pelo próprio deputado Bolsonaro, “como o pesadelo de Dilma Rousseff.” O patinho feio de Congresso Nacional, conquistou milhões de brasileiros ávidos por segurança, emprego e estabilidade. Bolsonaro falava o que o povo brasileiro, cansado de ver seus filhos serem mortos por um celular, pais de família desempregados e desesperançados.

Os jornalistas vão ter que se acostumar com um presidente que não tem assessoria de comunicação, que fala com à população diretamente pelas redes sociais, com destaque para o Twitter. Aqueles que se sentiam poderosos porque seguravam seus microfones com suas canoplas poderosas vão ter que perceber que às coisas mudaram.

Agora à fonte oficial do governo é o próprio governo. E ele não esconde o desprezo que sente pela mídia tradicional. O termo Fake News, que foi amplamente utilizado pelo candidato Jair Bolsonaro no palanque, parece que vai continuar sendo muito utilizado nos próximos quatro anos. E o mais surpreendente de tudo, é que os eleitores de Bolsonaro, que parecem ainda estar em transe eleitoral, concordam plenamente com o seu líder e mito.

“É preciso lembrar aos jornalistas e aos jornais que estamos em novembro de 2018, quando o NYT, informou que atingiu a magnifica marca de 3.000.000 de assinantes digitais”, foi esse o alerta que recebi hoje pelo whatsapp de um grande amigo. Um presságio do que já está acontecendo e do que inevitavelmente irá acontecer daqui para a frente.

You may also read!

Os militares no equilíbrio político

Jolivaldo Freitas   O presidente Jair Bolsonaro não vai mais participar das manifestações em apoio ao seu governo, marcadas

Read More...

Cão adotado pela 11ª CIPM ajuda no patrulhamento diário

Adotado pelos policiais da 11ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Barra), Barrito, 2 anos, é o cachorro protetor das

Read More...

Rubro Negro baiano divulga lista de convocados para o confronto contra o Atlético Goianiense

O Esporte Clube Vitória volta a campo neste domingo (26), quando enfrenta o Atlético Goianiense, pela quinta rodada da

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu