Fábrica de Lágrimas de Sereia na Ilha de Itaparica

In Cultura On
- Updated

Depois de enfeitiçar a todos em Salvador e vender suas lágrimas na Festa de Yemanjá e na Barra, a sereia, encarnada  pela artista Elizabeth Doud, dá seguimento à sua missão neste final de semana e no próximo, na ilha de Itaparica. Neste sábado, 17.02, se apresenta das 10h às 15h na praça de Mar Grande; amanhã, domingo, 18.02,   em Itaparica às 10h, em Ponta de Areia e Amoreiras a partir das 15h; e no próximo sábado, 24.02, a partir das 10h, faz uma passeata de bicicleta em massa, que sai de Barra Grande às 15h, da Igreja da Penha. Todo o público está convidado acompanhar a sereia na passeata em prol da proteção de nossos mares e por uma ilha sem lixo!

A sereia oferece às pessoas suas lágrimas como uma cura milagrosa para os males do humano contemporâneo

Em um palco sobre rodas, puxado por uma bicicleta, a sereia é  encarnada pela artista Elizabeth Doud, que idealizou e encena essa pequena obra performática de rua, que conta a história dessa sereia contemporânea que vem à terra para fazer uma denúncia e conquistar os corações humanos. O projeto é parte de uma pesquisa de doutorado do Programa de Pós-Graduação de Artes Cênicas da UFBA, que conta com a orientação da professora Suzana Martins, e que contempla a performance como ferramenta para responder as grandes crises climáticas e ambientais do mundo de hoje.

A sereia, com texto, movimento e uso de objetos, apresenta uma visão absurda, cômica e terrível dos danos que estamos sofrendo.

Ela sai das águas com a missão de denunciar o estado dos oceanos depredados e o pouco cuidado que o ser humano tem com o mar, onde, por exemplo, joga lixo plástico, que demora séculos para se decompor. Ela é uma sereia vigilante, uma mistura de professora-ativista-vendedora,  uma pós-moderna super-heroína descendente de Iemanjá que vive em uma tenda na praia e anda pelas ruas em bicicleta, já que o mar não é mais habitável.

A “Fábrica de Lágrimas de Sereia”, performance por Elizabeth Doud,  é uma investigação e meditação sobre a figura mitológica da sereia, o plástico, o mar e a nossa sobrevivência em um momento onde o equilíbrio ecológico  dos oceanos está cada vez mais ameaçado. A peça aborda, principalmente, a poluição de plásticos e o aquecimento dos oceanos do mundo pela criação de uma narrativa inspirada nos mitos das sereias e no orixá Iemanjá, para elaborar narrativas e metáforas que falam pontualmente dessas questões complexas de ordem global.

You may also read!

DTE de Vitória da Conquista incinera cerca de 200 kg de drogas

Resultado de apreensões que geraram instauração de diversos inquéritos e indiciamento de dezenas de traficantes, cerca de 200 quilos

Read More...

Mercado das Sete Portas passa por desinfecção total como prevenção ao coronavírus

O Mercado Público das Sete Portas passou por uma desinfecção total, como medida preventiva ao avanço do Covid-19, nesta

Read More...

Os militares no esparro

Jolivaldo Freitas Basta ler o que se escreve nos jornais sérios, por colunistas respeitados e atinados, para se saber

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu