Saiba como funciona o critério de Pontuação do WSL

In Bahia On
- Updated

Entrar no Circuito Mundial é o sonho de toda/todo surfista profissional. Surfar as ondas mais perfeitas com os ídolos, viajar pelos picos mais desejados pelo planeta afora…

Hoje os tops da elite competem entre si durante 10 etapas pelo mundo todo para definir quem vai levar o tão sonhado caneco do título mundial. Mas você tem ideia como funcionam as notas da World Surf League?!

Antes de qualquer coisa é importante saber que, segundo o livro de regras da WSL, são oito o número de juízes, sendo sete internacionais e um head judge (chefe de juízes), também internacional. Durante as baterias, apenas cinco deles dão as notas, onde a maior e a menor são descartadas e as três intermediárias são somadas e divididas por três. O surfista com a maior somatória ganha a bateria. Mas o que é a somatória? A soma das duas maiores ondas surfadas durante os 30 ou 35 minutos de heat.

No caso do primeiro round de uma etapa, o vencedor avança direto para o Round 3, enquanto os outros dois enfrentam a repescagem no Round 2. Isso também acontece caso o atleta não vença a bateria do terceiro round. Existe a repescagem no Round 4, mas quem perder a bateria está fora da etapa. Os vencedores dos quatro heats são classificados para as quartas de final e ai por diante passando pela semi e chegando até a final.

Uma etapa é composta por sete rounds:

  • O 1: não eliminatório
  • O 2: repescagem – quem perde está fora do campeonato
  • O 3: não eliminatório
  • O 4: repescagem – quem perde está fora do campeonato
  • Quartas de final
  • Semifinal
  • Final

A torcida vai ser grande pelo bi de Gabriel Medina.

A torcida vai ser grande pelo bi de Gabriel Medina.

Os critérios dos juízes são bastante simples:

  • Comprometimento e grau de dificuldade: eles julgam o quanto o surfista está comprometido em encontrar as melhores ondas e o grau de dificuldade das manobras para obter melhores notas.
  • Inovação e progresso: a capacidade do atleta em inovar nos diferentes picos pelo mundo. Uma onda surfada no Rio requer uma abordagem diferente de uma surfada em Fiji, então o critério analisa a habilidade do surfista em inovar em cima da prancha.
  • Combinação de manobras: o conjunto de manobras escolhido pelo surfista é analisado num kit junto com a agressividade do atleta.
  • Variedade de manobras: além de pintar a obra é preciso escolher cores diferentes para “pincelar” uma onda. É aqui que sair da zona de conforto importa.
  • Velocidade, força e fluidez: toda manobra é analisada conforme o estilo do surfista, mas algumas coisas são essenciais em qualquer receita. No caso de garantir uma boa nota em qualquer lugar do mundo, o quinto e último critério da WSL é o básico. Conciso e simples. Ganhar velocidade na prancha, seguir firme e deslizar sob a água.

E a pontuação da onda ocorre da seguinte maneira:

0.00 – 1.99: ruim

2.00 – 3.99: razoável

4.00 – 5.99: média

6.00 – 7.99: boa

8.00 – 10.00: excelente

Gabriel Medina e Adriano de Souza, nossos campeões mundial em 2014 e 2015, respectivamente. 

Com informações de @tdo.tadandoonda, @longarinaoficial e revista surfar

You may also read!

DTE de Vitória da Conquista incinera cerca de 200 kg de drogas

Resultado de apreensões que geraram instauração de diversos inquéritos e indiciamento de dezenas de traficantes, cerca de 200 quilos

Read More...

Mercado das Sete Portas passa por desinfecção total como prevenção ao coronavírus

O Mercado Público das Sete Portas passou por uma desinfecção total, como medida preventiva ao avanço do Covid-19, nesta

Read More...

Os militares no esparro

Jolivaldo Freitas Basta ler o que se escreve nos jornais sérios, por colunistas respeitados e atinados, para se saber

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu